17 fevereiro 2018

"Roteiro"-Entre Papos e Letras

Olá amadinhos! Tudo bem com vocês? Desejo que sim. Amores hoje é um dia muito, muito especial, para mim, pois hoje se inicia o projeto "Entre Papos e Letras", para saber mais Clicar aqui. Esse projeto é uma parceria com as escritoras, Maria Victoria Melo, Raquel Rasinhas, Maya F. e Nathali Lima. Vamos lá? 





Essa publicação é especial para quem é escritor, ou deseja ser, ou quem tem um conhecido que sonha em entrar nessa carreira. Roteiro é importante? Para que serve? É possível escrever um livro sem roteiro? É o que vamos descobrir agora, com dicas de 4 maravilhosas escritoras. 


Maya F.
Preciso de roteiro?
Olá pessoa maravilhosa que está lendo, tudo bom com você? Bom, eu espero que sim.Eu adoraria saber mais sobre você e ficar batendo papo por um tempão, mas eu tenho que falar sobre um assunto um tanto "confuso", o famoso roteiro.Se você nunca ouviu falar, não procura saber não (risos) sério, ele me deixou perdida e sem rumo, o que não é muito difícil.
Mas pra tudo tem um jeito, se você já ouviu falar e não se deu bem com ele, estamos juntos nessa e este post é para você.Muitos, no inicio de sua "carreira" como escritores, acreditam ser preciso seguir passo a passo de tudo que leem na internet de como escrever.Admito, também pensei assim, e mesmo sendo "nova" em escrever apendi que você não precisa ter toda uma rotina, seguir escrevendo como todos escrevem ou como a maioria. O interessante mesmo é você escrever.

Seja na escola, na faculdade, na hora do lanche, entre os intervalos no serviço ou quando esta indo dormir. E se você ainda está no comecinho e ainda não aconteceu com você, vai aqui uma dica.

Seus personagens irão gritar com você até no banho!

É isso mesmo que você leu, você vai estar lá despreocupado com a vida tomando um belo de um banho e buum, lá estarão eles falando e fazendo sua história criar vida, te deixando completamente desesperado para escrever o que eles vão estar expondo ali para você. E quando isso acontecer, pague de doido mesmo. Fale cada palavra alto, assim você não irá esquecer. Bom provavelmente não!

Tenha sempre um papel por perto, caso você opte por escrever quando eles começarem o falatório, o que pode ocorrer frequentemente, você irá precisar. O roteiro é algo bem organizado e ótimo para quem gosta de planejar cada pedacinho de sua escrita.
Agora, se você é como eu que não tem controle de nada, escreve o que aparece em qualquer papel, durante até uma espera para consulta. Mesmo sem roteiro você irá precisar de organização, então guarde cada pedacinho de papel, cada cena que imaginar e não se apegue a ela, na hora de passar tudo para o computador ou para o wattpad, com certeza haverá mudanças, pois nenhuma cena fica completamente intacta quando você escreve assim, mas não se preocupe, ela fica melhor, com mais detalhes e você tem um resultado cativante.

Eu amo escrever sem um roteiro, é livre e bem confuso também mais que escritor não uma confusão, mesmo que pequena, em sua mente? Espero, de verdade, que você consiga escrever dando o seu melhor, sendo com roteiro ou sem, em papel ou digital, vá em frente se arrisque e mostre ao mundo tudo o que você imaginou. Ele precisa disso.
Agora eu quero saber de você, o que acha de usar um roteiro? Ou quem sabe, você prefira escrever sem métodos?

Espero por você na próxima, XOXO!

🖇🖇🖇🖇🖇🖇🖇🖇🖇🖇

Náthali lima
Roteiros são, definitivamente, coisas com as quais eu não sei lidar e, nas vezes que eu tentei, o estrago foi tão grande que eu nem consegui fazer a história andar ou sequer fazer uma sinopse.
Meus melhores momentos de escrita e de inspiração são exatamente quando eu deixo as coisas fluírem e os personagens falarem comigo para que eles me digam como se sentem e como eles reagiriam naquela situação, e quando eles não sabem fazer isso, me colocar no lugar deles nessa situação para tomar os sentimentos e buscar o que eles precisam é uma das melhores partes para mim, uma coisa que eu não senti quando eu tentei usar um roteiro – até hoje eu tenho duas histórias completamente paralisadas e, em ambas, eu tentei fazer um roteiro ou algo parecido com isso (risos), mas, até o momento, nada além da ideia principal da história saiu.

Particularmente, eu me considero uma “escritora jardineira”, ou seja, eu planto a ideia e a deixo seguir, brotar e crescer cuidando para que não se desmanche e não se perca.
Quando não se usa um roteiro você tem que tomar o cuidado de não deixar a história saia do que você pretendia, mesmo que a sua sinopse não indique o caminho que você vai seguir – mas isso é papo pra outra ocasião (risos) – você tem que saber exatamente o que você quer para o final da sua história…
Se você souber o que você quer para o final dela, montar a história fica mais fácil, porque você vai precisar trilhar o seu caminho até aquele momento.

Para não me perder eu costumo fazer algo parecido com uma linha do tempo, anotando os pontos mais importantes e dramáticos do capítulo, fazendo as marcações de datas e até mesmo a hora que eu imaginei aquilo acontecendo para não me perder no dia e no momento da história.
Quando eu começo uma história, geralmente elas são montadas exatamente sobre um momento de mudança ou um desejo muito forte do(s) meu(s) personagem(personagens) principal(principais). Você precisa se comunicar com os seus personagens e conhecer eles, isso funciona bastante também na hora de lidar com a criação de uma história sem roteiro.
Meus momentos de tentativa de usar um roteiro nunca funcionaram muito bem, mas vocês saberem o que querem de cada ação ou atitude do seu personagem é um dos melhores meios de seguir com uma história sem roteiro.

Eu diria que – para mim pelo menos – a melhor maneira de seguir adiante com uma história feita sem um roteiro é você conhecer os seus personagens e saber o que você quer da sua história. Se você quer que ela seja intensa ou leve, se quer um drama grande ou algo menos “pesado”…
Acho que é isso que eu tenho para passar para vocês sobre isso, sobre o meu terrível e temido assunto chamado roteiro.

Atenciosamente, com um grande beijo, Náthali lima.

Notas sobre Náthali: tem vinte anos, é carioca e escreve desde os seus doze anos, iniciou no mundo das fanfics, postando algumas histórias curtas como originais e depois passou a se dedicar à algumas fanfics de universos literários famosos pelo mundo, encontrando dessa forma uma maneira de nunca se soltar de seus personagens preferidos. Hoje ela já escreve livros e tem publicados na plataforma do wattpad – e em breve na Amazon – somando ao todo cinco obras, escritas e postadas, na plataforma gratuita.

🖇🖇🖇🖇🖇🖇🖇🖇🖇🖇


Raquel Rasinhas
Oi pessoas!Aqui é a Raquel, uma das colaborados do projeto “Entre papos e letras” do Blog Amante dos livros. Hoje eu vim falar de algo que, particularmente, me ajuda e muito no momento de escrever o livro. O roteiro.
Tem quem ame assim como tem quem não gosta nem de ouvir o nome, eu sou apaixonada,
especialmente por que tenho um sério problema na hora de escrever. Eu viajo. Bom, todo o
escritor viaja enquanto está escrevendo, mas para mim isso era um grande problema. Vou
explicar. Quando eu escrevia sem um roteiro em mãos e me deixava levar, deixava que os
personagens usassem e abusassem de mim então eu não sabia quando seriam os picos
importantes, o clímax, como aquilo iria terminar (bem ou mal). Por um lado é incrível. Ser o
leitor na pele do escritor. Mas por outro lado é péssimo. Não saber esses pequenos detalhes
também me impedia de saber quantos capítulos o livro teria, quantas páginas cada capítulo
teria, se teria que escrever uma continuação ou não. E foi assim que fui apresentada ao roteiro.
Com ele me tornei mais organizada, tanto na escrita quanto com meus horários. Sabendo
previamente quando, como e por que tudo vai acontecer consigo moldar uma agenda e
escrever até mais de um livro ao mesmo tempo, sem o medo de me enrolar ou esquecer o
desenrolar da história.

Agora vou dividir com vocês como eu monto os meus roteiros para meus livros.

Primeiro passo: Eu crio as fichas dos personagens, algo bem básico. Começo com as
características básicas como nome, composição familiar, aparência física, psicológico e por ai
vai. Depois de todas as fichas de todos os personagens mais importantes prontas eu parto para
o esqueleto do roteiro. O que seria isso? Bem, é uma visão geral do livro, qual linha ele vai
seguir, quais serão os picos, o clímax, se vão ter cenas hot ou não, se vai ter briga ou não.
Esqueleto pronto, hora da pesquisa. Minha parte favorita em todo o processo. Eu sou a louca
das pesquisas, especialmente se o tema do livro é algo mais complexo como se passar fora do
país ou envolve lendas antigas. Eu amo! Por favor, nunca, jamais pulem essa etapa. Pesquisar é
o mais importante, não importa qual gênero você esteja escrevendo, não importa em qual
período ou planeta, pesquisem muito e o tempo todo. Ta com dúvida, não chuta e nem
inventa. Vai no pai de todos Google e pergunta pra ele.
Montando cada capítulo.
Eu divido meus capítulos em cenas, como em uma peça de teatro ou roteiro de novela mesmo.
Assim fica fácil saber quando o ambiente onde a ação acontece muda, os personagens entram
e saem e tudo o mais. Dentro desse capítulo tem que tem um pico, um momento importante e
um gancho que fará o leitor ir correndo para o capítulo seguinte para saber o que aconteceu.
Geralmente são no máximo 4 cenas em cada capítulo, assim sei que não vai ficar muito longo e tenho espaço para trabalhar bem os detalhes. Dentro das cenas eu divido o que vai acontecer
em tópicos.
Ex:
Cap 1
Cena 1
• Fulana sai de casa arrumada e pega o carro, sua mãe atrás dela aos berros. Ela sai cantando
peneus e esbravejando e nota que os vizinhos estão olhando tudo, mas não liga.
•Fulana se encontra com seu amigo Boy magia no café favoritos de ambos, eles conversam e
ela conta sobre a briga com a mãe.
Como podem ver (Sempre quis dizer isso kkk) não coloco detalhes, apenas a base onde vou
trabalhar na hora que for realmente escrever o livro. Como ficaria depois?
“Mariana sai de casa já pronta, com seu vestido favorito estampado de flores e sandálias. O
look perfeito para o verão de matar do Rio de Janeiro. Mas quem disse que sua mãe a deixaria
ir tão fácil? Ela saiu de casa, logo atrás de Maria aos berros.
− Ingrata! Filha ingrata, é isso o que você é! – Maria a ignora, indo direto para o seu carro
modelo x e jogando a bolsa no banco do carona com um pouco mais de força do que o
necessário. – Eu deveria ter ido embora e largado você com o inútil do seu pai quanto tive a
chance.
Ainda tentando ignorar a mãe, Maria sai da vaga cantando peneus.
− Por que não foi então, velha maluca? – Disse mais para si mesma do que para a mãe ouvir.
Assim que ganha a rua nota todos os vizinhos nas janelas e varandas, vendo o show que sua
mão estava dando. Era o café da manhã deles, todos os dias uma gritaria por um motivo
completamente diferente. Maria fica mais do que feliz em sair daquele bairro cheio de pessoas
falcas e encontrar seu melhor amigo Lucas no café Sonho da Beca, que fica no Jardim botânico.
Como sempre Lucas está lindo, com um jeans rasgado da moda, camiseta branca por debaixo
de uma estilo lenhados que combina com a densa barba que ele vem cultivando a algum
tempo. A felicidade em vê-lo e tão grande, que ela salta do carro direto para seu pescoço, em
um abraço misturado com um estrangulamento.”
E por ai vai.
Respondendo a pergunta que martela nem suas cabeças, sim eu fiz um jabá do meu livro
kkkkkk Sonho da Beca é o nome do café da protagonista do meu livro.
Voltando. Perceberam como eu consegui desenvolver o texto usando como base aqueles
pequenos tópicos? A escrita flui de uma forma muito gostosa, você não se prende e também
tem a liberdade de criar, claro que em cima das suas fichas de personagens, pesquisas e do
roteiro. Existem várias técnicas diferentes de montar um roteiro, essa que eu uso pode ser perfeita
para vocês assim como é para mim, ou não. Com o tempo você vai descobrir a melhor forma,
aquilo que vai te ajudar mais no momento da escrita, com roteiro ou não. Eu não largo meu
roteiro por nada nessa vida, de verdade. Como eu disse, fazer um roteiro me permite organizar
meus horários, minhas pesquisas e também escrever mais de um livro ao mesmo tempo. É
mais prático e “limpo”, no sentido que não tenho tantos bloqueios criativos como tinha antes,
de ficar até mesmo meses sem escrever nada. Já está ali, tudo pronto, eu só preciso refinar e
lapidar. Que fique claro, o roteiro não é a cura definitiva para o temido bloqueio criativo, mas
ajuda a reduzir e muito essa fase negra em nossas vidas.
Bem pessoal, espero que tenham gostado, se tiverem qualquer dúvida é só comentarem no
post. Será um prazer responder e poder ajudar todos. Sigam o blog para receberem as
atualizações e vejam também como a Victória, a Maya, a Náthali e a Nayara se organizam na
hora de escrever. Qual será a forma como elas fazem os roteiros de seus livros? Elas usam
roteiro? Estou super curiosa para saber.

Nota sobre Raquel: 
Raquel Rasinhas do Nascimento (Kel Ras), 31 anos
Cidade: Rio de Janeiro – RJ
Solteira e mãe de três gatos
Escreve romance sobrenatural e erótico
Escritora e autora no Wattpad e Amazon
Livros publicados: Inverno – A última Peeira; Um café e Você, para viagem; Contos da morte –
A lista do Anjo; A pura.
Colunista na revista literária Litere-se, publicitária e apaixonada por literatura.

🖇🖇🖇🖇🖇🖇🖇🖇🖇🖇

Vicky Melo 
Hey, girls e boys! Tudo bom do outro lado da tela? Espero que sim!
Como vocês leram acima, o tema de hoje do nosso projeto é "roteiro". Então, estou aqui para dar algumas dicas e contar um pouco da minha experiência sobre assunto. Mega bicho de sete cabeças? O monstro do lado Ness em forma de palavras? É o palhaço para as pessoas que soam frio ao olhar para aquele nariz vermelho e sorriso hiper alegre? Bom, minha gente, na minha opinião, o roteiro pode ser tudo isso... Ou pode ser aquele doce delicioso que você recebe de forma inesperada!
Eu não possuo muito domínio sobre o tema, admito! Pois eu mesma não o uso com frequência. Mas, eu já vivi a experiência de montar alguns, apesar de passar muito mais tempo NÃO usufruindo de roteiros. Por isso, vou listar abaixo como foi a "minha" experiência com eles e porquê de eu não usá-los em grande parte das vezes.
1. Organização & foco
Uma das vantagens de se usar um roteiro é pelo fato de que ele pode trazer muita organização e foco. Como você lista a ordem dos acontecimentos, na hora de escrever tudo fica mais fácil. Eu tenho um conto chamado "De volta a um dia", que eu escrevi totalmente em cima de um roteiro. E puxa! Me ajudou muito a concluir a história mais rapidamente. Como eu fiz um roteiro? Bom, primeiro eu vou listar abaixo os métodos que eu segui para criar um. Depois, vou falar do meu outro lado que não segue roteiro algum! Hahaha.
1.1. Um caderno!
Galera, uma coisa que me ajudou foi anotar tudo em um caderno específico. Sim, um caderno rsrs. Por quê? Porque me dá mais segurança na hora de escrever! Aí você me fala: "Ah! Mas eu não dindim para comprar um caderno!" Pessoa, deixa eu te contar! O caderno que eu falo que uso é bem velhinho, usado e quase não tem capa. Não há necessidade de comprar um novo. Caso opte por usar um caderno como eu, pegue um que você já tenha e tcharam! Caderno para roteiro! Hahaha.
2. Força de vontade
Gente, vocês vão ter muita força de vontade para criar um roteiro. Quando eu criei um, fiquei um tempão olhando para a mesma folha em branco, porque eu não conseguia organizar as minhas ideias dessa forma. A minha vontade foi de desistir dessa ideia e começar a escrever na hora, sem seguir nenhum roteiro! Mas, como eu havia colocado na minha cabeça que eu queria montar uma história dessa maneira, eu foquei nisso. Por isso, se você também colocou na cabeça que quer criar um roteiro, não desista na 1° tentativa, pois pode acontecer que nem aconteceu comigo. Pode demorar, mas uma hora o trem anda! Hahaha.
2.1. Você deve anotar o título da sua história (caso já tenha um) e começar a trabalhar na ficha dos seus personagens. "MAS VICKY... COMO ASSIM, MULHER?!" Pessoa, calma, já explico! Haha. Eu não coloquei nada muito extravagante nas fichas! Tendo a base da história na minha cabeça, eu apenas escolhi o nome de cada personagem, como eles eram (fisicamente e mentalmente) e o que iriam fazer no livro. Basta escrever o nome do personagem e fazer um pequeno texto ou tópicos seguindo isso!
Exemplo de uma ficha já criada:
Rainha Malerva Garmoon
(Texto básico) A rainha é uma mulher, que apesar dos luxos, é bastante frustrada emocionalmente. Ela trai o rei, seu marido, pois busca por conforto, amor e afeto.
Idade: 39
Cabelo: loiro escuro, mas ela é adepta de muitas perucas, como a sua rosa repleta de cachos volumosos.
Peso: 72 kg
Olhos: esverdeados
Viram só? O básico! E garanto que já ajuda bastante. Tanto para as suas ideias ficarem mais certinhas quanto para vocês se apegarem muito mais aos seus personagens. E isso é mais importante que tudo!
2.2. Na hora de escrever a história, você também pode optar por montar em forma de texto ou em pequenos tópicos. Neles, você deverá colocar as suas ideias.
Exemplo:
(Prólogo de um futuro livro)
- Mostrará a personagem dentro de um navio;
- um de seus marujos irá tentar rebaixá-la por ser uma mulher. Então, ela vai atirar direto no seu coração. Depois ela terá um flashback de uma situação da sua época no navio do seu antigo raptor.
Apenas isso! Diz aí se não daria para criar um prólogo completinho através desse textinho, hein? Basta colocar alguns pontos.
Exemplo 2:
- Vai acontecer uma grande explosão;
- Tal personagem vai morrer;
- A mulher dele será capturada.

Pronto! Essa já seria uma base legal para começar a escrever.
Pessoas, essas foram algumas das coisas que eu fiz para escrever meu roteiro. De momento, pode parecer bastante desafiador, certo? Mas se você nunca tentar, vai acabar não sabendo se isso se aplica ou não a você. Vale a tentativa! Pode dar certo contigo. Faça que nem eu: comece com um pequeno conto. Depois vá aumentando as palavras... Apenas tente e veja se isso é ou não para você. Okay?
Agora vou falar um pouco sobre o meu eu que não segue roteiros! Hehe.
Não vou mentir, o roteiro funcionou bastante comigo! Porque na hora de escrever o meu conto eu não me perdi e terminei muito mais rápido do que eu escreveria se fosse sem roteiro. Eu sou uma pessoa que perde o foco com facilidade. Posso estar escrevendo uma coisa aqui, que logo vou pensar em outra coisa e também irei querer escrever a segunda ideia. Entenderam? rsrs. Mas gente, preciso confessar algo: não foi nada fácil para mim ficar escrevendo em cima de um roteiro. Eu até poderia dizer que o meu coração de autor deve ser muito livre e teimoso! Haha. Porque todas as vezes que eu vou tentar transpor as minhas ideias sempre tenho uma leve pausa e que, se eu não perseverar, não consigo escrever nada para montar um roteiro. Quase todos os meus livros foram escritos sem nada previamente feito para servir como base. Eu apenas comecei a escrever com todas essas ideias iniciais e foram fluindo aos poucos. Definitivamente não consigo me prender por muito tempo, pois eu não me vejo acompanhando um roteiro em todos os momentos, em todos os meus livros. Mas apesar de tudo isso, eu indico muito criar algo do tipo, porque realmente ajuda bastante, pois você não se perde, mantém o foco e sabe exatamente o que vai acontecer, apesar de algumas coisas mudarem mesmo assim, certo? rsrs. Vai muito de autor para autor! Conheço muitos que usam roteiros e outros assim, como eu, que não conseguem se manterem por muito tempo em cima de um ou que, simplesmente, não conseguem se prenderem a algum.

Como eu disse, indico bastante o método do roteiro, porque pode ajudar muito. Pode te ajudar a manter o foco, a organização, assim como te dar uma certeza maior de que você não irá se perder e não conseguir terminar a história rsrs. Apesar de viver em uma relação de amor e ódio com eles, não digo que eu vou deixar de escrevê-los! Tanto que tenho um futuro livro que eu estou escrevendo com base em um.

Galera, as dicas que eu dei aqui realmente podem funcionar com você. Só que em grande parte das vezes "eu" não consigo colocar no papel o que dito! Haha. Por isso, indico muito as dicas da Raquel. E que, aleluia! Ela vai estar dando várias aqui especialmente para vocês, pois ela já enviou um texto muito bom com dicas de como criar um roteiro, então, tenho certeza que agora ela vai arrasar do mesmo jeito! Por isso, vocês precisam ler e tirar as suas próprias conclusões. Se quer ou não criar um, porque vai de autor para autor, como eu já disse. O roteiro pode ser o seu palhaço assassino ou também pode ser uma grande belezura para o seu futuro de escrita. Você que deve decidir se é bom ou não.

Por hora, eu agradeço muito a todos que chegaram até aqui, que leram o meu textão! Haha. Fico muito feliz de ter escrito algo do tipo. Foi uma beleza expor a minha opinião aqui! Um beijo a todos, um abraço colorido e cheio de carinho para você e até a próxima, hein? ❤
PS: se você tiver alguma dúvida a respeito de tudo que eu falei, se quiser comentar um pouco sobre e deixar a sua opinião, deixe aí um comentário, pois estarei respondendo a todos. Estou aqui de livre e espontânea vontade para isso, minha gente! Hahaha.
Att, Vicky Melo 💕

Nota sobre Vicky Melo :Cidade natal é Campinas/SP, mas no momento está morando em São José/SC. Um fato sobre ela : muda muito de cidade, devido a profissão do seu pai. Tem 17 anos, mas dependendo da situação pode ter 5 ou mais de 20. Atualmente é estudante e aspirante a escritora na plataforma laranjinha, também chamada de wattpad rsrs. Escreve desde 2015. O foco da sua escrita é a fantasia - mesmo que sendo misturada com outras categorias. Porque fantasia? Porque ama tanto ler como escrever esse gênero. Ama criar mundos, colocar fatos inexistentes dentro de uma história, que muitos gostariam que se tornassem reais. Entre livros postados e rascunhos, já deve ter chegado a marca de 10 livros escritos.
O mais? É  leitora com muito orgulho, uma eterna amante de séries e uma apaixonada pelo que muitos dizem ter gosto de terra... Açaí! Hahaha.

Nenhum comentário:

Postar um comentário