06 abril 2018

Mari Monni- Entrevista com Escritores

Olá amadinhos! Tudo be com vocês? Desejo que sim. Hoje estou trazendo uma entrevista com a escritora Mari Monni  uma talentosa escritora do gênero Romance, que conquistou corações na plataforma wattpad e que agora encanta os leitores da plataforma amazon.













































Qual foi a primeira coisa que escreveu? (pode nos dar uma amostra?)
R=Nossa, outro dia tava vendo uns caderninhos antigos que eu tinha quando era pequena e descobri uma história sobre uma bruxinha. Caderno de 1996, ou seja, tinha 7 anos. Uma Chance Para Amar foi o primeiro livro que concluí, apesar de já ter escrito outras coisas antes, como memórias, sentimentos, contos, e partes de outros livros.


-Qual sua relação com os livros, digo como leitora?
R= Sou completamente viciada e leio sempre que tenho um tempo. Ano passado li mais de 100 livros. Bem mais. Meta pra esse ano é anotar e postar todos os livros que eu li.



-Qual seu gênero literário favorito?
R= Romance. Adoro histórias de amor com aquela pegada sexy.

-Sua maior dificuldade como escritora(o)?
R= Pôr o ponto final na história. Sempre quero acrescentar algo e preciso dizer “chega” em algum momento. 


-Sua família sabe que escreve? (Todo mundo quer saber essa parte ha ha)
R= Sabe! O que é engraçado, porque quando saí do armário literário, já saí dizendo que escrevia romance com putaria e se não quisesse ler, eu super entenderia. Rs

-Já pensou em desistir de escrever?
R= Jamais. Amo escrever. Mas já fiquei desmotivada pra caramba com um comentário negativo que recebi. 

-O que você acha que é preciso pra ser um bom escritor(a)?
R= Imaginação, compreensão dos sentimentos e domínio da Língua Portuguesa (ou um bom revisor/copidesque). 
Imaginação para criar história. Domínio dos sentimentos para conseguir dar profundidade aos personagens. Domínio da Língua Portuguesa porque é esse o instrumento do escritor. Um escritor que não domina a língua é igual a um advogado que não tem noção da constituição. Não estou falando apenas de gramática, mas de saber expor em palavras o que está pensando. Afinal, o modo que escrevemos é diferente do modo como falamos.

-Na sua opinião, qual a principal função do escritor(a)?
R= Transmitir emoção através das palavras e fazer com que o leitor se enxergue ali. É preciso criar conexões. Quem nunca leu um livro e disse “nossa, sou eu!”. Isso é lindo. E acho que criar essa identidade é essencial.  


-Qual foi o momento em sua vida que você disse "isso está muito bom! Quero que todos vejam"?
R= Semana passada, com o livro que vou lançar em breve. Pois é... Quem me incentivou a postar meu livro, Uma Chance Para Amar, no Wattpad foi a minha amiga, Rê Moreira. Ela me disse que tava ótimo e que eu deveria mostrar pras pessoas. Eu, particularmente, não teria feito isso se não fosse por ela. Mas esse livro que vou publicar está muito legal e eu estou doida para mostrar para o mundo inteiro! Acho que nunca me diverti tanto escrevendo. Estou me sentindo aquela mãe coruja, toda orgulhosa do filho que acabou de ganhar o prêmio Nobel. Rs

-O que você sente enquanto escreve?
R= Liberdade. É como colocar em palavras tudo aquilo que penso e que sinto (ou o oposto disso) sem ser censurada. 


-O Que você acha de seus leitores?
R= Queria que eles falassem mais comigo! Gente, eu sou legal! Venha bater papo, vamos tomar um café. Isso é a coisa mais legal do Wattpad, a interação com os leitores. Infelizmente, na Amazon não temos isso. Por isso, eu peço: leitores da Amazon, por favor, dá um oi pra tia Mari.

-O que você de hoje diria a você de antes?
R= Caramba. Que pergunta, hein, gata!? Algumas coisas são impróprias para menores de idade. Rs Mas acho que eu diria para não deixar os momentos passarem e nem ter medo de tomar decisões. Ao mesmo tempo, não diria nada. Se eu tivesse dito, com certeza as coisas seriam diferentes, e estou muito feliz com a minha vida neste momento.

-Se você pudesse ser um personagem do seu livro, qual seria?
R= Todas as mocinhas, uma em cada dia. Os caras que elas ficam são sensacionais! Queria um pouquinho de cada um deles. 

-Você inspirou-se em alguém para escrever um de seus personagens? um possível amor talvez?
R= Todos os meus personagens têm um pouquinho de mim, mas nenhum foi inspirado em uma pessoa. Algumas frases ou atitudes talvez, mas nunca o personagem. Na verdade, o Gael é um personagem que pode ser uma junção de vários amigos meus, mas sem ser um especificamente. Ele é doutor em História, e como eu fiz esta faculdade, conheço vários docs. Então, esse personagem é pra eles.

-O que e mais difícil escrever o primeiro capitulo ou o ultimo ?
R= O do meio. Rs

-De onde tirou inspiração para o titulo?
R= Nem deus sabe!  Do nada, a porcaria do título aparece.

-Qual personagem do livro você gostaria de trazer a realidade?
R= O Eduardo é o homem perfeito, mas acho que, se eu pudesse escolher um, escolheria o Lucca. Ele é aquele cara bem na dele, tranquilo, sério, mas que quando se solta, ninguém segura! Sou apaixonada por ele.

-Se o seu livro fosse adaptado par as telonas do cinema, quais atores e atrizes gostaria que desse vida a seus personagens?

R= Vou pensar neste livro que vou lançar agora, ok? Nunca Vou Me Apaixonar.
Dante seria o Jason Momoa (porque ele é uma delícia), Lucca seria o Chris Evans (porque ele também é uma delícia) e Gael eu ainda não pensei. Na verdade, não busco me identificar com algum artista para construir o personagem. 

-Qual sensação de publicar um livro?
R= Nervosismo completo! É tipo entrar na Sapucaí em noite de desfile das escolas de samba. É estar exposto, tanto para coisas boas quanto para críticas.

-Em qual editora você quer publicar o seu livro? Você já tem isso em mente? 
R= Não tenho! Meu Deus. Acho que todo mundo sonha com uma das grandonas, né? Record, Arqueiro, Cia dos Livros... Mas eu não sei. Na verdade, só publicaria com uma editora se me sentisse parte de uma família. Acho que por isso que ainda não aceitei os convites das editoras.

-Vai dedicar /Ou dedicou seu livro a alguém?
R= Sempre dedico, mas o próximo é segredo. Não quero estragar a surpresa. Bwaa haa haa (essa foi minha risada maléfica).


-O que você tem achado mais difícil desde que começou a postar seu livro?
R= Divulgar, né?! Acho que essa é a parte mais difícil para todo escritor independente. Outra coisa que queria também era mais avaliação na Amazon.


-Qual a pior e melhor critica que seu livro recebeu?
R= Teve uma menina que me procurou e disse que meu livro mudou a vida dela. Disse que passaria a se dar mais valor e a prestar mais atenção em si mesma. Esta foi, sem dúvidas, a melhor. A pior foi de uma mulher que disse que preferia ter lido a lista telefônica e que meu livro era uma droga. Dois comentários completamente diferentes em relação ao mesmo livro.


-Acha blogs literários importantes? Qual é a sua visão em relação a eles?
R=Acho MUITO importantes. Os leitores precisam entender que há mais no mundo da literatura do que as grandes editoras publicam e que tem muita gente talentosa por aí que merece ser lido. Acho que essa é a principal função de um blog/canal literário, fazer a ponte entre o escritor e o leitor.


-Como connheceu o blog "Amante dos Livros"?
R= Facebook. O mundo está no feici.

-Bom para mim e uma honra te-lo(a) aqui, e o que você espera dessa nossa parceria?(Somente para parceiros do blog)
R= Eu espero ter contato com os seus leitores, fazer alguns sorteios, trocar ideias e mostrar que eu tô aí. Tenho muita coisa nova pra mostrar em 2018, então conto com o blog pra me dar aquela ajudinha do amor.


-O mercado literário e um pouco dificil, vários gostos e opiniões, desejos diferentes. E um ponto que atualmente e muito debatido e sobre a representatividade. Qual a sua opinião sobre a "representatividade"?
Eu acho necessária! O grande problema é que (ai meu deus, vou entrar no assunto polêmico) as pessoas esquecem que há vários grupos a serem representados e não apenas aqueles que estão na moda. Em Uma Chance Para Amar, eu conto a vida de uma mãe solo e tento representar esse grupo. Escolhi o termo Mãe Solo em vez de Mãe Solteira, porque ser mãe independe do seu estado civil. Tem muita mulher casada que cria filho sozinha. Na série Mãe Solo Procura, eu busco mostrar que essas mulheres não são apenas mães. Elas têm vida, fazem sexo, saem com as amigas e, também, criam filhos. E, principalmente, podem ser felizes! 
Colega escritor, não limite sua representatividade a um grupo específico. Não deixe os modismos te guiarem. E fale daquilo que toca o seu coração. Tem muita gente que precisa ser protagonista de livro! 
É o que eu disse anteriormente, a função do escritor é criar essa conexão com o leitor, que precisa se sentir representado na história.


-Uma mensagem para os leitores/escritores que estão cada dia entrando nesse meio, e deseja ter seu livro publicado, qual seu conselho a eles?

R= Coragem e humildade são duas ferramentas que você precisa ter. Coragem para enfrentar os desafios e humildade para entender que você tem sempre algo a aprender e espaço para melhorar.


.

Nenhum comentário:

Postar um comentário