10 maio 2018

Victor Pacheco— Entrevista com Escritores

Olá amados!! Tudo bem com vocês? Desejo que sim, há muito tempo eu não posto uma entrevista aqui, e confesso que eu amo compartilhar com vocês, histórias dos contadores de histórias, trazer uma nova visão da pessoa por trás do livros incríveis, e para voltar com tudo a partir desse sábado 12/05/2018 teremos maratona de entrevistas. E para começarmos com tudo, estou trazendo entrevista com o talentoso escritor VICTOR PACHECO .


Vamos lá?







Qual foi a primeira coisa que escreveu? (pode nos dar uma amostra?)
R=Era um conto bem dramático contando a história de uma paixão entre dois gatos, se chamava GATOS, criatividade não era meu forte como vocês puderam perceber rsrs, mas eu tinha muitos gatos em casa quando criança e então eu os amava tanto que decidi fazer uma história sobre eles, infelizmente não sobrou nada pra mostrar, mas eles continuam no meu coração.

-Qual sua relação com os livros, digo como leitora?
R= -Bom eu não leio tanto quanto eu gostaria, pois eu me divido entre meu trabalho pra comer e minha escrita, além de tentar ter uma vida social e me divertir quando posso, mas o que eu posso dizer é que minha relação com livros é muito diversificada, em grande parte do tempo eu estou lendo para relaxar e esquecer dos problemas, tenho um desejo de fugir da realidade as vezes porque me sinto cansado e sobrecarregado, outras vezes eu leio algo com o intuito de crescer como escritor e por fim algumas vezes eu sinto que vai me acrescentar algo bom na vida e como ser humano. Meu gênero favoritos tanto pra ler e escrever são romances, amo histórias de amor, tenho uma coleção de romances de banca inclusive.

-Qual seu gênero literário favorito?
R= Acho que acabei respondendo lá em cima rsrs romance, água com açúcar, por favor ksks

-Sua maior dificuldade como escritora(o)?
R= Creio que as vezes eu foco muito nos sentimentos dos personagens, devo isso a minha raiz modernista, na maioria dos casos funciona bem, mas tem casos que eu leio e penso "eu poderia explorar mais o ambiente, o todo e não somente o eu". Tenho lido autores mais descritivos atualmente, contudo não mudarei minha essência de dar ênfase ao interior dos personagens.

-Sua família sabe que escreve? (Todo mundo quer saber essa parte ha ha)
R= Minha família sabe sim, eles me incentivam a continuar escrevendo, no entanto não vêem isso como uma carreira, as vezes nem eu vejo sinceramente

-Já pensou em desistir de escrever?
R= Sim, essa semana inclusive rsrs, no entanto não é tão forte como antes, eu tento entrar no meio literário desde os 13 anos de idade e desde lá só tenho recebido não's ou propostas inviáveis a mim, mas hoje em dia eu vejo que não há só um caminho para ser escritor e isso me anima muito, além do apoio dos meus queridos e amados leitores.


-O que você acha que é preciso pra ser um bom escritor(a)?
R= Algumas podem esperar algo como se prepare, leia muito e tenha uma boa ortografia como uma resposta, mas eu penso que o que é bom ou ruim é muito relativo de pessoa a pessoa, e assim como toda arte a escrita não possui regras, o conselho que eu posso dar para ser um bom escritor é: dê o seu melhor.

-Na sua opinião, qual a principal função do escritor(a)?
R= Não posso denominar uma função para os outros, porque como eu disse a arte é livre, no entanto posso falar da minha função pessoal, escrever sobre tudo e todos com sentimento, alguns me perguntam "você é um escritor LGBTQ?" "Você não era poeta?". O que eu respondo é que sou um escritor e isso me basta, minha função é falar sobre as pessoas e sentimentos de forma que elas se sintam incluídas e identificadas no que eu escrevo, se no caminho eu poder ajudar a fazer do mundo um lugar melhor eu me sentirei imensamente grato.


-Qual foi o momento em sua vida que você disse "isso está muito bom! Quero que todos vejam"?
R= Foi quando eu ingressei no wattpad com o meu livro leve como o vento, e meu maior sucesso solo na plataforma. Eu tinha desistido de ser escritor, foram tantos não's, tantas decepções dentro desse meio que eu disse a mim mesmo "Chega de ilusões, chega de se fazer mal, não sou mais escritor". Bom então eu parei por meses, no entanto após uma certa inspiração eu escrevi leve como o vento, tentei uma editora especializada em poesia e eles me disseram que eu não tinha feito poesia, só rimas e devolveram meu original. Eu pensei em imprimir umas cópias e mandar pra algumas pessoas próximas, no entanto eu não tinha dinheiro para tal e minha amiga me convenceu a postar no wattpad, comecei a divulgar e aos poucos ele se tornou um sucesso, alcançando a #3 posição no ranking.


-O que você sente enquanto escreve?
R= Na maior parte do tempo é como fogos de artifício queimando meu peito.

-O Que você acha de seus leitores?
R= Incríveis, sinto que somos ligados de uma forma mágica, alguns passam meses e até um ano sem ler nada meu ou entrar no wattpad, mas toda vez que eles entram fazem questão de ler e comentar e conversar comigo! A sensação que eu tenho é de que somos grandes amigos e que sempre que nos encontramos é a mesma alegria, e tem aqueles que estão sempre comigo, me dando apoio e carinho todo tempo, eles fazem todo o meu trabalho possível.


-O que você de hoje diria a você de antes?
R=Respira fundo, as coisas vão melhorar

-Se você pudesse ser um personagem do seu livro, qual seria?
R= Eu já fui, o Victtorio, personagem de minha obra mais recente, a qual estou divulgando, e cometi os mesmos erros que ele, ainda espero meu final feliz rsrs

-Você inspirou-se em alguém para escrever um de seus personagens? um possível amor talvez?
R=O Heitor de Antes que seja tarde é inspirado num amor de minha adolescência, basicamente esse conto é a nossa história com um final alterado para um felizes para sempre.

-O que e mais difícil escrever o primeiro capitulo ou o ultimo ?
R= Manter a qualidade do primeiro ao último.

-De onde tirou inspiração para o titulo?
R= Eu reencontrei esse rapaz neste ano, e decidi contar toda verdade sobre o que aconteceu, eu pensava enquanto escrevia aquela mensagem "antes que seja tarde eu preciso dizer isso a ele" . Quando decidi fazer um conto sobre nossa história soube que era o nome perfeito.

-Qual personagem do livro você gostaria de trazer a realidade?
R= Seriam Heitor e Victtorio, queria que a nossa história tivesse aquele final as vezes.

-Se o seu livro fosse adaptado par as telonas do cinema, quais atores e atrizes gostaria que desse vida a seus personagens?

R= Queria o Jack falahee como Victtorio e o Dylan obrien como Heitor.

-Qual sensação de publicar um livro?
R=A sensação de exposição, mas uma exposição boa, aquilo que era seu e que só você sentia e conhecia agora vai tocar e marcar outra pessoa, mágico.

-Em qual editora você quer publicar o seu livro? Você já tem isso em mente? 
R= É um sonho de criança estar na Rocco, foi a primeira editora que eu soube que existia por conta de minha escola ter os livros dela no catálogo, mas acho que qualquer editora que seja justa e que me divulgue bem eu assinaria, apesar que me sinto cada vez mais certo de seguir independente em plataformas digitais, mas se surgir uma boa proposta não vamos fechar a porta né?

-Vai dedicar /Ou dedicou seu livro a alguém?
R= Leve como o vento foi inspirado no meu ex melhor amigo, e dediquei todo a ele naquela época, Antes que seja tarde é inspirado em uma experiência pessoal, mas de verdade eu dedico a Deus, pois Ele me deu o Dom e a forca pra continuar fazer, e meus leitores que me dão todo o apoio e seu tempo, sem essa base eu não seguiria em frente.

-O que você tem achado mais difícil desde que começou a postar seu livro?
R= O mais difícil tem sido se destacar, eu tenho minha base de leitores e meu conto tem tido uma repercussão na plataforma, entretanto eu tenho buscado crescer e alcançar um público maior, e é difícil porque além de mim tem no mínimo 1 milhão de autores querendo mesmo.

-Qual a pior e melhor critica que seu livro recebeu?
R= Não consigo eleger uma pior, pois quando recebo algo ofensivo eu não absorvo, a melhor tem sido dos blogs literários que tem analisado a minha história, gosto muito do que tenho lido, espero continuar assim.

-Acha blogs literários importantes? Qual é a sua visão em relação a eles?
R=Acho que blogs literários são os melhores amigos que um escritor pode ter, muitos pessoas os acompanham, e até os consultam antes de ir ler ou comprar algo,  nunca abro mão de buscar a divulgação deles.

-Como connheceu o blog "Amante dos Livros"?
R= Através de um grupo de literatura, achei interessante e decidi buscar uma parceria.


-O mercado literário e um pouco dificil, vários gostos e opiniões, desejos diferentes. E um ponto que atualmente e muito debatido e sobre a representatividade. Qual a sua opinião sobre a "representatividade"?
R= Acho válida e necessária, é preciso de cada vez mais representatividade em nossos livros, principalmente nesses momentos aonde vemos diversos atos de preconceitos propagados nas redes sociais, a maior arma que um artista tem é sua arte, então pretendo usar minha arte para incluir todas as pessoas.

-Uma mensagem para os leitores/escritores que estão cada dia entrando nesse meio, e deseja ter seu livro publicado, qual seu conselho a eles?

R= Seja seu próprio espelho, não se compare com ninguém, cada um tem sua trajetória, seu caminho e todos podemos vencer.


Bom amados, espero que tenha gostado da entrevista e se preparem para a maratona. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário